top of page

A Catedral de Natal: Pe. João Maria e Dom Costa


Por Pe. José Freitas Campos Arquidiocese de Natal

 

            Nos dias atuais, quem passa diante da Catedral Metropolitana ou adentra a mesma e eleva ao Senhor uma prece sob a proteção de Nossa Senhora da Apresentação, jamais imaginará a história que precede a construção da mesma em seu estado atual. Um projeto sonhado por gerações e gerações. Naquele mesmo local onde está construído o espaço litúrgico, segundo alguns historiadores existia uma casa de farinha de propriedade de Antônio Francisco Viveiros que a vendeu a Sofia Roselli. O terreno foi doado ao Vigário da Paróquia de Nossa senhora da Apresentação Pe. João Maria Cavalcanti de Brito. O mesmo fora nomeado vigário em sete de agosto 1881, onde passou 25 anos.

            O lançamento da pedra fundamental integrou os eventos da Festa da Padroeira e aconteceu em 21 de novembro de 1894, ou seja, há 130 anos atrás. Não ainda como Catedral pois a criação e instalação da Diocese viria depois (28/12/1909) mas como uma Capelinha na qual os fiéis se dedicaram a sua construção. Traziam na cabeça as pedras necessárias para o alicerce do espaço sagrado, em procissão, desde a Praia de Areia Preta. Com o falecimento do Pe. João Maria em 16 de outubro de 1905, o seu sucessor,  Pe. Moisés deu continuidade a edificação, deixando-a em situação bem adiantada. Com sua saída em 1910 a obra foi interrompida e abandonada.

            Ao longo de mais de um século cada bispo que por aqui passou deu a sua interpretação ao edifício que estava sendo construído. Somente no governo de Dom. Nivaldo Monte logo após a sua posse como Administrador Apostólico decidiu retomar a ideia de construí-la. As ruínas existentes denotavam degradante aparência. Somente em 1972 o segundo Arcebispo de Natal decidiu retomar a construção e manifestou ao seu Bispo Auxiliar Dom Costa seu desejo de que ele considerasse a construção da nova Catedral como uma de suas atribuições.

            Depois de muita luta e grandes batalhas a solene dedicação da Igreja Catedral se deu as 9h do dia 21 de novembro de 1988, festa de Nossa Senhora da Apresentação, sob a presidência do Arcebispo de Natal Dom Alair Vilar. Dom Costa não participou da solenidade. Sua querida mãe Lula morreu na noite de vinte para vinte e um. Enfim, a sua missão foi cumprida.  Em 24 de maio de 1990 a Comissão Executiva da construção da mesma foi dissolvida.

            Em suma, muitas etapas foram acrescentadas. Haja visto a mais recente inauguração dos vitrais e da via sacra. Contudo, o nome do Pe. João Maria, o pioneiro deste espaço litúrgico, jamais poderá ser esquecido. Da antiga praça Pio X surgiu tão belo templo. Quando nos ordenamos presbíteros Dom. Jaime, Dom. Canindé, Pe. Cassiano e eu fizemos uma foto nas ruínas, mas tendo como fundo as cruzes que já estavam erguidas. De lá para cá cada pároco colocou a sua marca ao longo de quase 50 anos. Foi na gestão de D. Costa que aconteceu a solenidade de benção de mais uma pedra fundamental da nova Catedral. Este fato aconteceu no dia 21 de junho 1974 como encerramento da procissão da Festa do Corpo de Deus. A partir desta data, sem nenhuma interrupção surgiu a nova Catedral de Natal. Um belo templo capaz de acolher uma multidão de fiéis. D. Costa não impunha limites a sua determinação de dar à Senhora da Apresentação uma Catedral majestosa, mística, imponente e acolhedora. Um monumento que eleva a fé e a esperança dos que constituem o povo de Deus nesta Arquidiocese de Natal.      

Commentaires


bottom of page