Paróquia de Nossa Senhora do Livramento – Taipu/RN


Praça Dez de Março, 426

Centro - 59565-000 - Taipu – RN Telefone: (84) 3264-2201 (WhatsApp) E-mail: livramentotaipu@gmail.com


Pároco: Pe. Willian Bruno dos Santos Costa


Redes sociais: facebook.com/paroquiadolivramento.rn instagram.com/paroquiadolivramento.rn youtube.com/tvlivramento


Site: www.paroquiadolivramento.com.br





Horários de missas

Igreja Matriz (Taipu): Quinta: 19h Domingo: 10h e 19h Primeira sexta: 19h

Última segunda-feira: 19h (missa com oração de cura)


Igreja do Sagrado Coração de Jesus (Poço Branco) Domingo: 08h e 17h Primeira sexta: 17h


Municípios que abrange: Taipu e Poço Branco

Data de criação: 18/04/1913


História da Paróquia


Sendo a única cidade do Rio Grande do Norte a ter Nossa Senhora do Livramento como Padroeira, Taipu iniciou bem cedo a devoção à sua Padroeira. Em 1839 foi solicitado ao bispo de Olinda, que estava em visita ao Rio Grande do Norte neste ano, a construção da capela de Nossa Senhora do Livramento, no distrito de Taipu do Meio. A doação do terreno para a construção da capela foi feita pelo casal Bernardo Gadelha e Inácia Maria de Carmo, possuidores de um terreno na margem direita do Rio Ceará-Mirim, que foi doado para esta finalidade. Eles que fizeram a doação da imagem, que fazia parte do oratório particular do casal. A construção da capela durou 30 anos para ser concluída.


A Paróquia de Nossa Senhora do Livramento foi criada em 18 de abril de 1913, pelo 1° Bispo de Natal, Dom Joaquim Antonio de Almeida. Senda esta a única paróquia criada em seu governo e a 1° da recém criada Diocese de Natal. A instalação da paróquia se deu por membros da cúria diocesana de Natal no dia 1° de maio de 1913. Na mesma data foi dado posse ao primeiro Pároco, o Padre Jéferson Urbano Rodrigues da Rocha.

Em 1929, a cidade de Baixa Verde se desmembrava da Paróquia, vindo a se tornar Paróquia Nossa Senhora Mãe dos Homens, de João Câmara, em 1929, por decreto de Dom Marcolino Esmeraldo de Souza Dantas, 1° Arcebispo de Natal. Em mais de 100 anos de Paróquia, já passaram 57 padres. Destes, apenas 7 administraram a paróquia. O motivo, é que em 1964, chegavam oriundas do Rio Grande do Sul, as irmãs da Congregação do Imaculado Coração de Maria, para uma experiência inédita na Igreja: substituir o sacerdote em todas as funções litúrgicas, menos na celebração da Santa Missa e na ministração dos sacramentos (que viria a ser permitido posteriormente).


Por meio de uma nova forma de experiência pastoral o então administrador apostólico de Natal, dom Eugênio de Araújo Sales, confiou a administração de paróquias a congregações femininas. Na Arquidiocese de Natal as duas primeiras paróquias assumidas por mulheres foram Nísia Floresta em 1963 e Taipu em 1964. O L’Osservatore Romano, órgão oficial da Santa Sé (Vaticano), manifestou-se favorável a experiencia, considerando a experiência como uma solução que poderia ser aplicada nas regiões do mundo onde havia falta de sacerdotes [A Ordem, 20/06/1964, p. 5]. Neste período, eram os Padres da Paróquia de Ceará-Mirim que davam assistência à Paróquia de Taipu.

As irmãs do ICM administraram a paróquia por 30 anos [1964-1994] e permaneceram morando na cidade por 42 anos quando se mudaram para Natal. Na paróquia atuaram na pastoral, na promoção humana, na educação e na saúde. Administraram o centro social e a maternidade, criaram o grupo de escoteiros Dom Bosco em 1969, o movimento familiar cristão, organização bibliotecas, etc. Muitas autoridades religiosas e civis visitaram Taipu entre 1964 e 1966 para tomar conhecimento do trabalho desenvolvido pelas irmãs a frente da paróquia. Foi na administração das irmãs que a Paróquia contava o maior grupo de escoteiros do Rio Grande do Norte, com mais de 500 integrantes.


Foi a Irmã Natalina Maria Rossetti, que teve autorização do Papa, para ser a primeira mulher da Igreja Católica a distribuir comunhão, casar e batizar. A Ir. Natalina faleceu em março de 2014, sendo sepultada na Igreja Matriz. No mesmo túmulo se encontra a Irmã Marilucia Koakoski. Um dos eventos religiosos mais marcantes da Paróquia foram as visitas de Frei Damião. Ao todo, o Frade Capuchinho realizou 5 missões populares no território paroquial, arrastando multidão por onde passava. Um fato importante: a Paróquia foi a terceira do Brasil a aderir a Campanha da Fraternidade, que teve seu início em Nísia Floresta, e posteriormente São Gonçalo do Amarante. Hoje, é maior campanha do Brasil, sob a responsabilidade da Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB.


A imagem Da Padroeira, Nossa Senhora do Livramento, é esculpida em madeira entalhada e policromada, com 1 metro de altura e tendo sua origem no século XIX. Em 2000, a imagem foi enviada a Fundação Jose Augusto para ser restaurada. Ao longo de 3 anos de reparos foram devolvidos a imagem os traços característicos originais quando foram retiradas as várias camadas de tintas azul e branca que a recobriram por muito tempo.


A imagem foi tombada pelo Governo do Estado do Rio Grande do Norte como patrimônio artístico e cultural por meio da Fundação José Augusto, retornando a matriz de Taipu no dia 18 de novembro de 2001 para o inicio da festa daquele ano onde foi comemorado os 90 anos da paróquia. Nossa Senhora do Livramento é festejada na última semana de novembro, em Taipu, há 182 anos.


Atualmente, a Paróquia abrange os municípios de Taipu e Poço Branco, que tem o Sagrado Coração de Jesus como Padroeiro. A Paróquia conta com 47 comunidades; mais de 55 capelas, santuários e oratórios; cerca de 40 pastorais, movimentos e serviços; e uma população aproximada de 25 mil pessoas, sendo 80% católica.

(Texto enviado pela equipe da Pastoral da Comunicação da Paróquia de Nossa Senhora do Livramento. Adaptado por Paulo Henrique Viana, tendo como fonte o Arquivo Paroquial e o Blog Crônicas Taipuenses.)