Dom Marcolino Esmeraldo de Souza Dantas


Dom Marcolino Esmeraldo de Souza Dantas

4º Bispo/1º Arcebispo Metropolitano

(Inhambupe-BA, 22 de janeiro de 1888 — Natal-RN, 8 de abril de 1967)


No dia primeiro de março de 1929, o Papa Pio XI nomeou o quarto bispo de Natal, Dom Marcolino Esmeraldo de Souza Dantas. Natural de Inhambupe, na Bahia, Dom Marcolino foi o bispo com o mais logo pastoreio nesta diocese, foram 32 no efetivo governo diocesano e seis anos como Arcebispo Resignatário.

O período em que ele esteve à frente da diocese de Natal, foi um tempo de forte crescimento demográfico e pastoral no Rio Grande do Norte. A extensão territorial da diocese e o crescimento no número de fiéis foram fatores que levaram o bispo de Natal a promover a criação de outras duas dioceses no interior do Estado, a primeira em Mossoró (1934), na região oeste, e Caicó (1939), no sertão do Seridó Potiguar. Com a criação das novas dioceses, o papa Pio XII criou a Província Eclesiástica de Natal, elevando a Igreja de Natal ao grau de Arquidiocese, como a Bula “Arduum Onus”, datada de 16 de fevereiro de 1952. Dom Marcolino foi, portanto, o primeiro Arcebispo Metropolitano de Natal.

Ele criou oito paróquias, ordenou quarenta padres e realizou três Congressos Eucarísticos, nas localidades de São José de Mipibu, Currais Novos e Canguaretama. No campo da educação, foram criados onze colégios católicos: Nossa Senhora das Neves, Santo Antônio (Marista), Salesiano São José, Nossa Senhora de Fátima, Maria Auxiliadora, Maristela, São José, Dom Marcolino, Nossa Senhora do Carmo e Santa Águeda.

Foi durante o governo de Dom Marcolino que surgiu, em Natal, a Ação Católica, dirigida pelo Padre Monte. Foi neste movimento, a partir da JMC (Juventude Masculina Católica) e JFC (Juventude Feminina Católica), que dois jovens sacerdotes iniciaram um trabalho pioneiro no Rio Grande do Norte. Eram os padres Nivaldo Monte e Eugênio de Araújo Sales, que iniciaram um trabalho de assistência social que foi sendo aprofundado ao longo do tempo inspirando posteriormente o que se denominou de “Movimento de Natal”. Vendo a realidade social de extrema pobreza que assolava grande parcela da população potiguar, os padres: Eugênio Sales, Expedito Medeiros, Nivaldo Monte, Alair Vilar, Manuel Tavares e Pedro Moura começaram a organizar reuniões para traçar estratégias e planejar ações para a promoção humana. Desse grupo surgiram muitas ideias que se propagaram pelo Brasil e pelo mundo. Esse conjunto de ações ficou conhecido como “Movimento de Natal”. Dentre os muitos frutos dessa experiência destacam-se o SAR (Serviço de Assistência Rural), as Escolas Radiofônicas, a Rádio Rural de Natal, a Escola de Serviço Social e a Campanha da Fraternidade.

Em 1961, a saúde de Dom Marcolino mostrava sinais de fragilidade que o impossibilitaram de governar a arquidiocese. Neste sentido, no dia 9 de dezembro de 1961 a Santa Sé, nomeou Dom Eugênio Sales, Administrador Apostólico Sede Plena. Dom Marcolino faleceu seis anos depois, em Natal, no dia oito de abril de 1967.