top of page

Dom João Cardoso receberá imposição do pálio arquiepiscopal


A solene celebração acontecerá dia 7 de julho, na Catedral Metropolitana de Natal, presidida pelo Núncio Apostólico no Brasil

 


O Arcebispo Metropolitano de Natal, Dom João Santos Cardoso, receberá a imposição do Pálio Arquiepiscopal das mãos do Núncio Apostólico no Brasil, Dom Giambattista Diquattro, durante solene celebração eucarística, dia 7 de julho, às 18h30, na Catedral Metropolitana. Na ocasião, o Núncio abençoará o novo vitral e os quadros da Via-Sacra, elementos do projeto de revitalização da Catedral.

Os párocos e administradores paroquiais da Arquidiocese de Natal são responsáveis por organizar caravanas de fiéis para participar da celebração. No dia 7 de julho, nas paróquias, haverá missa apenas na parte da manhã.

 

Celebração em Roma

 

Dom João Cardoso vai a Roma para participar da solene celebração, na Solenidade dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo, no dia 29 de junho, na Basílica Vaticana, presidida pelo Papa Francisco. Durante a celebração, o arcebispo de Natal irá pronunciar o juramento de fidelidade, juntamente com os demais metropolitas do mundo inteiro, cujas nomeações aconteceram entre julho de 2023 e junho deste ano. Depois, eles irão presenciar a bênção que o Papa dará a todos os pálios. Essa celebração poderá ser acompanhada, ao vivo, através dos meios de comunicação do Vaticano.

Ao retornarem às arquidioceses, cada arcebispo terá sobre si a imposição do pálio, feita pelos Núncios Apostólicos dos respectivos países.

 

Significado do Pálio arquiepiscopal

 

O pálio, derivado do latim “pallium”, é uma faixa de cerca de cinco centímetros de largura confeccionada com lã de ovelhas criadas pelos monges trapistas da Abadia de Tre Fontane, em Roma.  De acordo com o Mons. Flávio Medeiros, cerimoniário da Basílica de São Pedro, no Vaticano, o pálio dos arcebispos metropolitanos é uma relíquia intimamente ligada ao apóstolo Pedro, cujo sepulcro se encontra embaixo do altar principal da Basílica Vaticana.

O pálio é um adorno episcopal confeccionado com lã de ovelhas e colocado em contato com o túmulo de São Pedro. “O seu significado é de que, quem o leva sobre os ombros, está unido por um especial aspecto de comunhão hierárquica com a Igreja Romana e com o Sumo Pontífice”, explica Mons. Flávio Medeiros.

Essa insígnia é entregue aos arcebispos recém-eleitos, como é o caso de Dom João Cardoso, que foi nomeado arcebispo da Arquidiocese de Natal, em 5 de julho de 2023.

Em tempos passados, o rito de imposição era realizado pelo Santo Padre,  em Roma. Atualmente, o Pálio continua sendo abençoado pelo Papa, mas a imposição passou a ser realizada nas próprias arquidioceses, pelo Núncio Apostólico. Assim, será a primeira vez em que a Arquidiocese de Natal viverá a celebração da imposição do pálio, em seu próprio território. Os arcebispos anteriores receberam a insígnia, em Roma, na festa de São Pedro e São Paulo.

 

Núncio Apostólico

 

Dom Giambattista Diquattro é o atual Núncio Apostólico, ou seja, o representante do Papa para o Brasil. Natural da Bolonha, na Itália, nascido em 18 de março de 1954, é arcebispo, diplomata, teólogo e canonista. Antes de ser nomeado Núncio para o Brasil, em 29 de agosto de 2020, ele já havia exercido a mesma função no Panamá, Bolívia, Índia e Nepal.



Comments


bottom of page