Brasil ganha os primeiros Santos Mártires

Os Mártires de Cunhaú e Uruaçu foram canonizados pelo Papa Francisco dia 15 de outubro de 2017

Por Cacilda Medeiros

 

 Alegria e emoção. Dois sentimentos que contagiaram os fiéis católicos brasileiros, especialmente os norte rio-grandenses, por ocasião da canonização dos Protomártires do Brasil. E para os que tiveram a oportunidade de ir a Roma, para a celebração, os sentimentos de alegria, expectativa, ansiedade e emoção foram ainda mais fortes. A cada encontro de potiguares na Praça de São Pedro, havia uma explosão de contentamento.

 

Preparação

 

O Arcebispo Metropolitano de Natal, Dom Jaime Vieira Rocha, chegou à capital italiana com alguns dias de antecedência à canonização, onde cumpriu uma agenda de compromissos. Um deles foi uma entrevista nos estúdios da Rádio Vaticano, acompanhado do Padre Júlio César Souza Cavalcante e do Padre Murilo Paiva, respectivamente vice-postulador e capelão dos Mártires. Na entrevista, o arcebispo afirmou que a canonização significa um momento de bênção para o povo brasileiro, ocasião de recomeço e de renovação do entusiasmo de ser cristãos. A conversa, conduzida pela jornalista Cristiane Muray, foi veiculada, posteriormente, na íntegra, na Rádio Rural de Natal.

Na sexta-feira, 13, quem chegou à  Praça de São Pedro teve a surpresa de já ver afixados na fachada da Basílica Vaticana os painéis com as imagens dos Mártires brasileiros, bem como dos três adolescentes mexicanos, conhecidos como Mártires de Tlaxcala; do espanhol Faustino Miguez, fundados do Instituto Calasâncio Filhas da Divina Pastoral, e do sacerdote franciscano italiano, Luca Antonio Falcone.

Na manhã deste mesmo dia, aconteceu uma coletiva, na sala de imprensa da Santa Sé, sobre a celebração de canonização. O Arcebispo, Dom Jaime; o vice-postulador, Padre Júlio César, e o Padre Flávio Medeiros, do clero da Arquidiocese de Natal, mas que reside em Roma e atua na equipe de cerimoniários da Basílica Vaticana atenderam a jornalistas do Brasil, Itália, França e Espanha para falar sobre os Mártires de Cunhaú e Uruaçu.

No sábado, 14, ao meio dia, Dom Jaime presidiu a celebração eucarística, no altar da cátedra, na Basílica Vaticana. Os cantos da celebração foram entoados pela Camerata de Vozes, ligada à Fundação José Augusto, do governo do Estado. A camerata, cujo regente é o Monsenhor Pedro Ferreira, da Arquidiocese de Natal, também fez uma apresentação, no domingo, na Praça de São Pedro, antes do início da celebração de canonização.

Outro momento de preparação foi a oração das vésperas, no final da tarde do sábado, 14, na capela de Nossa Senhora Aparecida, no Colégio Pio Brasileiro, em Roma, e que contou com a participação de autoridades civis, bispos, padres, religiosos e dezenas de fiéis leigos brasileiros, especialmente potiguares. Entre as autoridades, a advogada geral da União, Grace Medonça. A celebração foi dirigida pelo Arcebispo de Natal, Dom Jaime Vieira, e os cantos animados pela Camerata de Vozes. Dom Edilson Nobre, atual bispo da Diocese de Oeiras (PI), participou do momento oracional, e afirmou a alegria de estar em Roma para participar da celebração, na qual os Protomártires do Brasil foram elevados aos altares de todo o mundo como santos. “Como potiguar, agradeço muito a Deus pelo sentimento de alegria e pela oportunidade que Ele me proporcionou de participar desse evento. Eu estava como dirigente espiritual de uma peregrinação, organizada desde o ano passado, e pela Providência Divina está acontecendo dentro deste calendário, vivido em Roma, nestes dias”, disse Dom Edilson.

Canonização (LOservatore Romano).jpg

Celebração

 

Uma manhã de domingo, com céu limpo e sol forte. Aos poucos a Praça de São Pedro, no Vaticano, foi ficando repleta de fiéis de várias partes do mundo. Foram cerca de 35 mil pessoas que participaram da celebração presidida pelo Papa Francisco, às 10 horas, no dia 15 de outubro de 2017. E entre essa multidão, mais de 400 pessoas potiguares, que viajaram até Roma, para participar da celebração de canonização dos Mártires de Cunhaú e Uruaçu.

No início do ritual litúrgico, o prefeito da Congregação para a Causa dos Santos, Cardeal Ângelo Amato, fez o pedido ao Santo Padre para os que os 35 beatos (30 brasileiros, três mexicanos, um italiano e um espanhol) fossem inscritos no livro dos Santos. Logo após, foi feita a leitura de suas biografias e a recitação da ladainha dos santos. A fórmula de canonização foi lida pelo Papa: “Em honra da Santíssima Trindade, para exaltação da fé católica e incremento da vida cristã, com a autoridade de nosso Senhor Jesus Cristo, dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo e a nossa, depois de termos longamente refletido, implorado várias vezes o auxílio divino e ouvido o parecer de muitos irmãos nossos no episcopado, declaramos e definimos como Santos os Beatos: André de Soveral, Ambrósio Francisco Ferro, Mateus Moreira e seus 27 companheiros; Cristóvão, Antônio e João; Faustino Miguez; Ângelo D’Acri e inscrevemo-los no Catálogo dos Santos, estabelecendo que, em toda a Igreja, sejam devotamente honrados entre os Santos. Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo”.

 

Durante a celebração, que foi concluída ao meio dia, com a tradicional oração do Angelus, era visível a emoção estampada no rosto dos norte rio-grandenses que se encontravam na Praça de São Pedro. “É um momento único vivido em nossa Arquidiocese. Estou muito feliz por ter tido o privilégio de estar na missa na qual o Papa confirmou o testemunho daqueles que deram seu sangue pela fé católica”, disse Flávio Guedes, funcionário da Paróquia de Nossa Senhora da Apresentação, na Cidade Alta, em Natal.

“Que a graça dos Santos Mártires renove a nossa vida, nos traga esperança e que sejamos corresponsáveis pela vida uns dos outros. Lembremo-nos que os Mártires agora são santos e intercedem a Deus por todos nós brasileiros”, comentou o Arcebispo de Natal, em frente à Basílica Vaticana, logo após a celebração.

 

Ação de graças

 

Na segunda-feira, 16, às 11 horas, no altar de cátedra, na Basílica de São Pedro, foi celebrada missa em ação de graças pela canonização, presidida pelo Cardeal Dom Sérgio da Rocha, arcebispo de Brasília e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). O arcebispo de Natal, Dom Jaime Vieira; o arcebispo emérito, Dom Heitor Sales; outros bispos brasileiros, vários sacerdotes, diáconos e dezenas de fiéis leigos, participaram da celebração eucarística. “O louvor a Deus manifestado na santa missa de canonização continua a ecoar nesta Basílica tão amada, no Rio Grande do Norte e em todo o Brasil. Em nome da Igreja, no Brasil, manifestamos nossa sincera gratidão ao Papa Francisco, assim como a todos aqueles que se empenharam no processo de canonização dos Santos Mártires”, destacou o cardeal, durante a homilia.

No final da celebração, Dom Jaime fez uma saudação, durante a qual evocou a lembrança de três pessoas, já falecidas, e que tiveram papel importante para a canonização. “Foram três grandes baluartes da causa dos Mártires. Dom Eugênio Sales, incentivador e batalhador incansável até os últimos dias de sua vida para que os Mártires fossem elevados aos altares. Dom Alair Vilar, terceiro arcebispo de Natal, impulsionador já desde a sua homilia de posse para que fosse realizada a causa de Beatificação. E o Monsenhor Francisco de Assis Pereira, que não mediu esforços, não limitou o tempo e nem o espaço, andou pelo mundo – Holanda, Portugal, Vaticano, Brasil – pesquisando e escrevendo a história dos Mártires”, destacou.

Na ocasião, Dom Jaime denominou o Cardeal Dom Cláudio Hummes de ‘Padrinho dos Mártires’. “Dom Cláudio levou o assunto ao Papa Francisco, apresentou a história dos Mártires ao Romano Pontífice, buscou estar sempre acompanhando o processo na Congregação para a Causa dos Santos.” Ao Papa Francisco, Dom Jaime manifestou a gratidão pela firme decisão de canonizar os primeiros Santos Mártires do Brasil. “Obrigado aos nossos Mártires. Tudo isso hoje acontece porque, em 1645, eles tiveram  coragem de dizer sim à fé, a Cristo e à Igreja”, concluiu o Arcebispo. 

 

Audiência geral

 

O último evento relacionado à programação da canonização, em Roma, foi a participação do Arcebispo, Dom Jaime, algumas autoridades e peregrinos na audiência geral do Papa Francisco, realizada na manhã da quarta-feira, 18 de outubro, na Praça de São Pedro. No início da audiência, o Papa saudou especialmente os grupos vindos do Brasil, em particular os fiéis da Arquidiocese de Natal, acompanhados do Arcebispo, Dom Jaime. O Santo Padre convidou a todos a permanecer fiéis a Cristo Jesus, como os Protomártires do Brasil.

 

*Texto publicado na revista A Ordem – especial Mártires, em outubro/2017