Arquidiocese faz doação de Hospital para Camilianos


O Hospital Maternidade Belarmina Monte, em São Gonçalo do Amarante, tem quase 50 anos de história. Foi construído sob administração da Congregação das Irmãs do Amor Divino, com a ajuda da população. Há 14 anos, a instituição passou a ser gerenciada pela Sociedade Brasileira São Camilo, ligada à Congregação dos Camilianos.

Nesta quinta-feira, 2 de junho, a história do Hospital Maternidade Belarmina Monte ganhou um marco. Em uma solenidade, a Arquidiocese de Natal, através do arcebispo metropolitano, Dom Jaime Vieira Rocha, doou, legalmente, o terreno e toda a estrutura do Hospital à Sociedade Brasileira São Camilo. “Para a gestão camiliana, esse ato é muito importante, porque é um incentivo para fazermos mais, buscando aumentar o número de leitos, de prestação de serviços em geral à comunidade”, destacou o atual diretor administrativo da casa, Geovani Freitas Neves.

A instituição é mantida com recursos do Sistema Único da Saúde e é o único Hospital em todo o município de São Gonçalo do Amarante, que tem uma população de cerca de 105 mil habitantes. A casa de saúde conta, atualmente, com 250 colaboradores, 50 médicos e 65 leitos e realiza internações nas especialidades: UTI adulto, clínica médica, cirúrgica (geral, proctológica e ginecológica), clínica pediátrica e obstétrica.


Aperfeiçoando a parceria


Durante a solenidade de assinatura da doação, Dom Jaime ressaltou o trabalho e a sensibilidade das Irmãs do Amor Divino e de todas as pessoas que tiveram a iniciativa de construir um hospital, há quase 50 anos, no município de São Gonçalo. Ele também fez memória à época em que a Sociedade Beneficente São Camilo assumiu a administração da casa de saúde e enfrentou todas as dificuldades para mantê-la em funcionamento. “Chegou o momento de aperfeiçoarmos, cada vez mais, esta parceria. Os Camilianos não poderiam investir em uma obra que não lhes pertencesse. Por isso, com o aval do Conselho Arquidiocesano de Assuntos Econômicos, do Setor de Patrimônio e do Vicariato Administrativo, chegamos à conclusão de que deveríamos doar o Hospital para os Camilianos. Como eles são uma instituição filantrópica, podem conseguir verbas, sobretudo, para as populações mais carentes”, ressaltou o Arcebispo.


(Fotos: Cacilda Medeiros)