V ENCONTRO DE FORMAÇÃO
DÍZIMO, UMA PASTORAL: COMO ORGANIZAR?

Acolhida e ambientação:
Preparar o local do encontro com carinho: observar a limpeza, arrumação das cadeiras (de preferência em círculo), cartazes, TV/DVD para exposição da palestra, música, enfim, tornar o lugar acolhedor. Colocar no centro a Bíblia e o crucifixo com flores e velas e a imagem de Nossa Senhora. Colocar, também, algum material da pastoral do dízimo utilizado na comunidade: livros, fichas, carteiras, etc. Junto com alguns instrumentos de trabalho de carpintaria: martelo, lixa, metro, parafuso, etc. Não esquecer os abraços e a acolhida humana.

Canto de acolhida:
1.Tem que ser agora/ já chegou a hora da condivisão/Deus é pai da gente,/ fez-nos diferente, mas nos quer irmãos.
Eu sou dizimista, eu sou/ vou ser dizimista, Eu vou,/ vamos partilhar o que Deus nos dá todos o nosso amor. (bis)
2. Oh! Que maravilha, / festa da partilha, sem obrigação/ deus é pai bondoso, / é tão generoso, multiplica o pão.
3.Os irmãos carentes,/ pobres e doentes, se alegrarão/ quando a nossa oferta/ for de mão aberta, for de coração.

Motivação inicial:
O coordenador acolhe a todos transmitindo alegria e falando da importância da formação para todos os agentes da pastoral retomando a temática dos encontros anteriores: A fundamentação do dízimo na Bíblia: Recordar Abrãao, Jacó e Moisés, a viúva pobre, os fariseus e a convocação de São Paulo aos Coríntios. Relembrar a fundamentação espiritual do dízimo para a Igreja católica como caminho de santidade e a verdadeira mística do dizimista cristão que é a comunhão com Deus e os irmãos. A razão pela qual devemos ser dizimistas e os mandamentos da Igreja. LEMBRAR QUE ESTE É O ÚLTIMO ENCONTRO DE FORMAÇÃO DO ANO. Motivar a participação no Encontrão Arquidiocesano. Conclui a motivação convidando a todos para a oração inicial.

Canto inicial:
1. Quando você despertar amanhã/ e a sua janela abrir/ veja que Deus lhe dá tudo/ sem nada pedir.
Abra o seu coração/ Dízimo é prova de Amor./ Sangue, corpo, vinho e pão/ Assim Jesus ensinou. (bis)
2. É dando que se recebe/ Se cresce ao dividir/ Tudo o que eu
sou e o que tenho/ pertence a ti.
3. Eu sempre serei/ Dizimista com muito Amor/ vou partilhar toda graça/ Que vem do Senhor.

Coord.: Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo.
T.: Amém.

Coord.: Irmãos e irmãs, estamos chegando ao final desta caminhada de formação em nossa pastoral. Na verdade, encerramos um projeto, mas a formação deve ser permanente para todos nós. Hoje queremos refletir sobre a organização da nossa pastoral e avaliar, se realmente estamos sendo fiéis na ação pastoral da nossa paróquia e na aplicação do nosso dízimo, com responsabilidade e transparência. Iniciemos este encontro invocando o Espírito Santo:

Canto:
Senhor, eu sei que é Teu este lugar / Todos querem Te adorar / Tomar tua direção
Vem ó Santo Espírito os espaços preencher / Reverência à Tua voz vamos fazer
Podes Reinar, Senhor Jesus, oh sim,
O Teu poder teu povo sentirá
Que bom Senhor saber que estás presente aqui
Reina Senhor neste lugar
Visita cada irmão, oh meu Senhor, / dá-lhes paz interior, / E razões pra Te louvar
Desfaz todas a tristeza, incerteza, desamor / Glorifica o Teu nome, oh meu Senhor

Mensagem:
Coord.: Escutemos com atenção a mensagem da carpintaria:

“ Conta que na carpintaria houve uma vez uma estranha assembléia. Foi uma reunião de ferramentas para acertarem as diferenças. Um martelo exerceu a presidência, mas os participantes lhe notificaram que teria que renunciar. A causa? Fazia demasiado barulho; além do mais, passava todo tempo golpeando. O martelo aceitou a sua culpa, mas pediu que também fosse expulso o parafuso, dizendo que ele dava muitas voltas para conseguir algo. Diante do ataque, o parafuso concordou, mas, por sua vez, pediu a expulçao da lixa. Dizia que era muito áspera no tratamento com os demais, entrando sempre em atritos. A lixa acatou, com a condição de que se expulsasse o metro, que sempre media os outros segundo a sua medida, como se fora o perfeito. Nesse momento, entrou o carpiteiro, juntou o material e iniciou o seu trabalho. Utilizou o martelo, a lixa, o metro e o parafuso. Finalmente a madeira se converteu num fino móvel. Quando a carpintaria ficou novamente só, a assembleia reativou a discussão. Foi então que o serrote tomou a palavra e disse:
-Senhores, ficou demonstrado que temos defeitos, mas o carpinteiro trabalha com nossas qualidades, com nossos pontos valiosos. Assim, não pensemos em pontos fracos, e concentremo-nos em nossos pontos fortes.
A assembleia entendeu que o martelo era forte, o parafuso unia e dava força, a lixa era especial para limar e afinar aspereza, e o metro era preciso e exato. Sentiram-se então como uma equipe capaz de produzir móveis de qualidade. Sentiram a alegria pela oportunidade de trabalharem juntos”.

Reflexão:
Coord.: (todos silenciam por alguns instantes).
Pensar nesta conversa dos instrumentos de trabalho, comparando-os com a pastoral: Cada um tem características diferentes, virtudes e defeitos, mas Deus se utiliza de cada um de nós para fazer a graça acontecer.
Como estamos respeitando as diferenças uns dos outros?
Estamos permitindo que Deus utilize o melhor de nós?
Qual a lição desta mensagem para a nossa Pastoral?

Preces: Façamos nossas preces, rezando: Senhor somos instrumentos teus no mundo!
1. Que descubramos a nossa verdadeira missão na Igreja e no mundo:
2. Que saibamos valorizar as virtude dos irmãos:
3. Que tenhamos força para perdoar os que nos ofenderam:
Preces espontâneas:

Canto:
O Senhor necessitou de braços
Para ajudar a ceifar a messe.
E eu ouvi seus apelos de amor,
Então respondi:
“Aqui estou, aqui estou!”.
1. Eu vim para dizer que eu quero te seguir,
Eu quero viver com muito amor o que aprendi!
2. Eu vim para dizer que eu quero te ajudar,
Eu quero assumir a tua cruz e carregar!
3. Eu vim para dizer que eu vou profetizar,
Eu quero ouvir a tua voz e propagar!
4. Eu vim para dizer que eu vou te acompanhar
E, com meus irmãos, um mundo novo edificar!

Coord.: Concluamos nossas preces com a oração do Senhor: Pai Nosso...
Consagremos tudo que temos e somos à Nossa Senhora:

Canto:
Oh, Minha Senhora e também minha mãe
Eu me ofereço, inteiramente, todo a vós.
E em prova da minha devoção, eu hoje vos dou meu coração.
Consagro a vós meus olhos, meus ouvidos, minha boca
Tudo o que sou, desejo que a vós pertença
Incomparável mãe, guardai-me e defendei-me,
Como coisa e propriedade vossa, Amém (bis)

Coord.: O Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna.
T.: Amém.

Coord.: Terminada a oração, vejamos, o último vídeo desta formação:

5º TEMA:
DÍZIMO, UMA PASTORAL: COMO ORGANIZAR?

Vamos conversar, nesta última formação sobre a Pastoral do Dízimo. Que pastoral é essa? Como se organiza? O que precisamos fazer? Vejamos:

O Dízimo é uma atividade ECLESIAL e BÍBLICA que visa despertar no cristão a sua conscientização de cooperação na condução RELIGIOSA da comunidade, onde expressamos a FÉ, o LOUVOR e o AGRADECIMENTO a DEUS.

Na dimensão religiosa, o dízimo é um dos caminhos que leva o cristão a uma aproximação com Deus, e com a Igreja. É bíblico e atende as necessidades da igreja com melhor condição e qualidade nas celebrações.

A PASTORAL DO DÍZIMO NA SUA DIMENSÃO RELIGIOSA: refletimos a Palavra, expressamos a nossa fé nas orações e na vivencia da experiência com Deus.

O QUE É A PASTORAL DO DÍZIMO?
É uma equipe missionária que anima a comunidade para a partilha na devolução do dízimo e organiza a forma de arrecadação, animação e prestação de contas à comunidade. Deve ter um número de agentes compatível com a dimensão do trabalho necessário para um bom atendimento de plantões, visitas e evangelização; deve ter um coordenador para, em comunhão com o pároco e a Coordenação Arquidiocesana, animar a equipe.
A pastoral deve ser missionária, manter a sua espiritualidade e alcançar os seus objetivos; celebrar e comungar a Palavra e a Eucaristia, buscar sempre a formação e a oração da equipe, todos expressando a sua experiência de fé e dando o seu testemunho.

COMO ORGANIZAR A PASTORAL:
A Pastoral do Dízimo deve estar bem preparada na organização dos trabalhos, como também os agentes devem ter um vasto conhecimento sobre a pastoral e os textos bíblicos que falam sobre o dízimo. Ter uma escala de serviço para facilitar o trabalho e que seja cumprida com responsabilidade por todos os membros. É uma pastoral que envolve dinheiro, bem material, é preciso praticar a partilha, a solidariedade e a caridade... Procurar corresponder à confiança da comunidade.
Não podemos ver a pastoral do dízimo apenas como uma questão financeira e administrativa para arrecadar dinheiro nas comunidades. A equipe deve ser consciente e de que este é um trabalho pastoral e voluntário que leva a comunidade a ser missionária, responsável e conscientizada através da evangelização. Um dos pontos básicos é a acolhida e a valorização das pessoas.

PONTOS QUE AJUDAM NA ORGANIZAÇÃO:
Escolher pessoas interessadas, comprometidas com a pastoral e convencidas da missão do dizimista;
Preparar-se bem, pelos encontros de formação, leituras, etc;
Nunca impor, mas ajudar e sensibilizar os fiéis;
Esclarecer a comunidade por meio de palestras, faixas, folhetos, etc;
Aproveitar os movimentos da comunidade para divulgar a importância do dízimo;
Fazer celebrações litúrgicas dinamizando e divulgando a pastoral, utilizando testemunhos dos dizimistas;
Preparar fichas com o cadastro dos dizimistas;
Ter um plantão antes e depois das celebrações, e si possível também durante o expediente da semana na secretaria ou na igreja para atender as pessoas;
Lembrar que o dízimo requer muita paciência, motivação, uma boa fundamentação bíblica e tempo;
Acolher bem a todos da comunidade por iguais mesmo os que não são dizimistas.

O QUE É A DIMENSÃO RELIGIOSA DO DÍZIMO?
É a utilização do dízimo arrecadado na promoção das celebrações, oração comunitária e tudo o que diz respeito ao encontro do homem com Deus. Deve suprir com recursos, todas as necessidades direta ou indiretamente ligadas ao culto e aos seus ministros.
Esta dimensão está mais ligada ao culto, mas, o conselho administrativo e financeiro da paróquia junto com o padre deve elaborar um plano de ações das comunidades e conforme a sua realidade destinar a sustentação das despesas do templo e a manutenção dos serviços e movimentos da igreja.
Neste plano não podemos esquecer-nos do salário dos padres eles são dignos dos seus trabalhos, também das despesas da casa paroquial, os funcionários, encargos, material de limpeza, energia elétrica, água, telefone, impressos, computador, paramentos litúrgicos, folhas de cânticos, velas, vinho, hóstias, equipamentos de som e audiovisuais, etc.
Tudo representa os gastos para a manutenção do templo e as atividades desenvolvidas na comunidade, nas Liturgias e nas diversas pastorais, para levar a comunidade a viver melhor, aprofundar e anunciar sua experiência de fé. Essa dimensão do dízimo tem por finalidade possibilitar que a comunidade tenha condições necessárias em qualidade para a oração e a formação cristã.
A dimensão religiosa do dízimo diz respeito à salvação da humanidade. O dízimo deve levar a ser sinal de salvação. Com o seu dízimo, cada dizimista participa direta ou indiretamente do anúncio da Palavra de Deus, pois assim, a comunidade terá maior possibilidade de praticar o amor, além de ajudar nas obras e serviços. Com o dízimo a comunidade faz melhor o trabalho de evangelização, desenvolve melhor a catequese e pode investir na formação dos padres e de seus fiéis.

PRESTAÇÃO DE CONTAS:
A equipe da pastoral, juntamente com o padre e o conselho administrativo e financeiro da paróquia são os responsáveis e devem verificar quais são a real necessidade e a prioridade da comunidade e elaborar um plano financeiro e administrativo. Apresentar à comunidade como meta do dízimo a ser atingida. Não desistir enquanto não for atingido o desejado.
Nas prestações de contas deve ser mostrados detalhes das receitas como também das despesas. Por exemplos: Nas receitas discriminar o que foi oferta e dízimo e outras receitas do mês. Nas despesas em que foram gastos, detalhando as dimensões religiosa, social e missionária.

VEJAMOS UM MODELO SIMPLES DE UM BALANCETE DO MÊS:
Deve ter nome da diocese, da paróquia e a cidade com endereço completo.
Balancete do período: mês e ano
RECEITAS:
Dízimo:..................................................................R$ 1.747,35
Ofertas:....................................................................R$ 650,50
Aluguéis e doações específicas:.................................R$ 300,00
Saldo anterior;.............................................................R$ 50,00
Total.:.....................................................................R$ 2.747,85

DESPESAS:
DIMENSÃO RELIGIOSA
Côngruas dos padres, diáconos e salários dos funcionários;.......................................R$ 1.000,00
Manutenção da igreja, água, luz, telefone, computador;.................................................R$ 150,00
Manutenção da casa paroquial;.....................................................................................R$ 200,00
Hóstias, vinho, velas, flores etc.;.....................................................................................R$ 50,00
Material da catequese e outras pastorais;....................................................................... R$ 50,00
Folhetos litúrgicos;.........................................................................................................R$ 10,00
Manutenção do carro, gasolina consertos etc..................................................................R$ 50,00
Total dimensão religiosa:............................................................................................R$ 1.510,00

DIMENSÃO SOCIAL
Ajuda aos pobres, viúvas e órfãos................ R$ 100,00
Assistência aos doentes;................................R$ 100,00
Promoção Humana (creches, escolas)...........R$ 150,00
Total na dimensão social:..............................R$ 350,00

DIMENSÃO MISSIONÁRIA
Contribuição para a Diocese (10% da receita)....R$ 269,78
Ajuda para seminários.........................................R$ 100,00
Preparação de Missionários leigos.........................R$ 50,00
Ajuda a Comunidades Missionárias.....................R$ 100,00
Formação de leigos e etc.......................................R$ 50,00
Total na dimensão missionário. ...........................R$ 569,78

TOTAL DA RECEITA.....................................R$ 2.747,85
TOTAL DAS DESPESAS.................................R$ 2.429,78
SALDO FINAL..................................................R$ 318,07

TRANSPARÊNCIA NA APLICAÇÃO DO DÍZIMO:
A prestação de contas deve ser mensal, transparente de maneira que não deixe dúvidas, assim também deve ser apresentado um minucioso levantamento ou planejamento das necessidades atendidas e as que devem ser atendidas. Mostrando em que e onde aplicaremos os nossos dízimos, mostre as necessidades mais urgentes. Isto faz despertar a comunidade para o compromisso com a igreja.
A prestação de contas deve ser lida (anunciada nas celebrações ou reuniões da comunidade), como também pode ser feito um boletinho financeiro e pregado em um mural num espaço bem visto pelos fieis. Como também colocar uma observação se algum fiel tenha duvidas e queira ter acesso detalhado na documentação procurar o conselho administrativo e financeiro da paróquia ou ate mesmo o padre para esclarecimento. QUANDO NÃO HÁ PRESTAÇÃO DE CONTAS A TENDÊNCIA DOS DIZIMISTAS É A INFIDELIDADE!

Esperamos que estas reflexões tenham ajudado você e sua comunidade na prática verdadeira do dízimo!
Que sua equipe de agentes seja comprometida com a evangelização!
Que sua comunidade seja exemplo de comunhão e participação!
Que você seja UM DIZIMISTA FELIZ!
Que a Graça e a Paz de Deus estejam presentes em sua caminhada e sua ação pastoral, por intercessão da Virgem Mãe da Apresentação, em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Amém.

Coord.: Terminada a exposição vamos conversar sobre o que ouvimos:
1. Como se organiza nossa pastoral?
2. O que precisa melhorar?
3. Enumerar o que está caminhando bem e o que precisa melhorar: preparar uma lista daquilo que vai bem e outra com o que precisa melhorar:

Concluamos nossa partilha com esta mensagem:

“Esta é a história de um alpinista que sempre buscava superar mais e mais os desafios. Ele resolveu, depois de muitos anos de preparação, escalar o Aconcágua. Mas ele queria a glória somente para si, e resolveu escalar sozinho, sem um companheiro.
O alpinista começou a subir e foi ficando cada vez mais tarde. Como não havia se preparado para acampar, resolveu seguir a escalada, decidido a atingir o topo. Escureceu, e a noite caiu como um breu nas alturas da montanha. Não era mais possivel enxergar um palmo à frente do nariz. Não se via absolutamente nada.Tudo era escuridão: Não havia lua e as estrelas estavam cobertas pelas nuvens.
A apenas 100 metros do topo, o alpinista caiu a uma velocidade vertiginosa, vendo apenas as manchas que passavam cada vez mais rápidas na mesma escuridão e sentindo a terrivel sensação de ser sugado pela força da gravidade.
Nesses angustiantes segundos, passaram por sua mente todos os momentos felizes e tristes que havia vivido...
De repente, sentiu um puxão forte que quase o partiu pela metade...shack!
Como todo alpinista experimentado, havia cravado estacas de segurança com grampos a uma corda comprida fixada em sua cintura.
Naquele momento de silêncio, suspenso nos ares, na completa escuridão, nada lhe restou a não ser gritar:
-Ó meu Deus, me ajude!!!
Uma voz grave e profunda vinda de cá, respondeu:
-Que queres de mim, meu filho?
-Salve-me, meu Deus, por favor!!!
-Realmente acreditas que eu possa te salvar?
-Eu tenho certeza, meu Deus!!!
-Então corta a corda que te mantém pendurado...
Houve um momento de silêncio e reflexão. O homem se agarrou mais ainda à corda e acreditou que, se a cortasse, morreria...
Conta o pessoal de resgate que, no outro dia, foi encontrado um alpinista congelado...morto...agarrado com força, com as duas mãos, a uma corda...
apenas a dois metros do chão...’’

Orientações:
? Agradecer a presença de todos e preparar a participação no encontrão Arquidiocesano

Coord.: Concluamos o encontro com o abraço da paz. (Todos se cumprimentam)

FRASE PARA MEDITAR DURANTE ESTE MÊS:
“O dízimo exige confiança em Deus!”


Material elaborado por Toinho, Luiza e Randenclécio, da Equipe Arquidiocesana da Pastoral do Dízimo, com o auxílio do Pe. Aerton Sales da Cunha – Vigário Geral da Arquidiocese de Natal.
Fonte de pesquisa para todos os encontros:
Bíblia Sagrada
Dízimo, expressão forte da comunidade – Antoninho Tatto
Dízimo em cada dia – Pe. Jerônimo Gasques
O dízimo de A a Z - Pe. Jerônimo Gasques
Código do Direito Canônico (CDC)
Catecismo da Igreja Católica (CIC)
Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadores no Brasil (DGAE)