I ENCONTRO DE FORMAÇÃO
POR QUE O DÍZIMO? Fundamentação bíblica I

Acolhida e ambientação:
Preparar o local do encontro com carinho: observar a limpeza, arrumação das cadeiras (de preferência em círculo), cartazes, TV/DVD para exposição da palestra, música, enfim, tornar o lugar acolhedor. Preparar uma banquinha ou tapete no centro do círculo com flores e velas para a Bíblia que será entronizada durante o encontro. Não esquecer os abraços e a acolhida humana.

Canto de acolhida:
Só porque você veio / é festa no céu, é festa aqui (bis) Com um aperto de mão, um abraço apertado, um sorriso bem largo, vamos louvor à Deus, Ele está aqui, Ele está ao meu lado!

Motivação inicial:
O coordenador acolhe a todos transmitindo alegria e falando da importância da formação para todos os agentes da pastoral. Apresenta a dinâmica de formação para o ano 2010. Serão 05 encontros (de maio a setembro – 01 encontro por mês); em setembro o encontrão concluirá a formação anual e em outubro haverá o processo avaliativo. Conclui a motivação convidando a todos para a oração inicial.

Canto inicial:
Toda Bíblia é comunicação/ de um Deus-Amor, de um Deus-irmão./ É feliz quem crê na Revelação,/ quem tem Deus no coração.
1. Jesus Cristo é a Palavra,/ pura imagem de Deus Pai./ Ele é vida e Verdade,/ a suprema Caridade.
2. Os profetas sempre mostram/ a vontade do Senhor./ Precisamos ser profetas/ para o mundo ser melhor.

Coord.: Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo.
T.: Amém.

Coord.: Irmãos e irmãs de caminhada pastoral. O Senhor que nos chamou à vida, nos escolheu e enviou em missão. Nossa missão é converter a comunidade à partilha, com nosso exemplo e nossa pastoral do dízimo. Isto mesmo: somos dizimistas e além da devolução do dízimo que fazemos a Deus como cristãos, somos animadores da comunidade para que também descubra o valor da partilha em nossa pastoral. Louvemos a Deus pela escolha que nos fez.

T.: Oração.
Senhor, Deus de amor e fonte da vida. Aqui está o nosso dízimo. Trazemo-lo com alegria e espontânea vontade. Queremos fazer desse gesto uma fonte de alegria com todos aqueles que serão beneficiados. Sabemos, Senhor, que deveria ser mais, mas nos colocamos no caminho de iniciação para progredirmos cada vez mais. Sabemos quão benéfico isso é para nós. Existem aqueles momentos de vontade de desistir da opção pelo dízimo. Por outro lado somos cobertos com tua graça benevolente e graciosa. Aprendemos a repartir e, nesta escola de caridade, vamos progredindo cada vez mais. A cada mês e a cada dia somos tocados por teu amor pelos irmãos. A cada instante o dízimo vem à nossa memória como um bálsamo suave e um remédio reconfortador. Sentimos-nos muito bem e, como uma suave brisa, somos agradecidos com teu amor. Percebemos sua amável presença nos enchendo de ternura e nos faz muito felizes. Somos a ti muito agradecidos. Que nunca nos falte o pão de cada dia. Amém, assim seja, Senhor!

Canto:
1.Tem que ser agora/ já chegou a hora da condivisão/Deus é pai da gente,/ fez-nos diferente, mas nos quer irmãos.
Eu sou dizimista, eu sou/ vou ser dizimista, Eu vou,/ vamos partilhar o que Deus nos dá todos o nosso amor. (bis)
2. Oh! Que maravilha,/ festa da partilha, sem obrigação/ Deus é pai bondoso,/ é tão generoso, multiplica o pão.
3.Os irmãos carentes,/ pobres e doentes, se alegrarão/ quando a nossa oferta/ for de mão aberta, for de coração.

Entronização da Bíblia:
Coord.: Acolhamos a Palavra da Vida que nos ensina o caminho da partilha: (A Bíblia é apresentada ao grupo e passa de mão em mão e depois é colocada no centro)

Canto:
É como a chuva que lava,
é como o fogo que arrasa.
Tua palavra é assim,
não passa por mim sem deixar um sinal.

Tenho medo de não responder,
de fingir que não escutei.
Tenho medo de ouvir Teu chamado,
Virar de outro lado e fingir que não sei. (BÌS)

Tenho medo de não responder, de não ver
Teu amor passar. Tenho medo de estar
distraído, magoado, ferido e então me
fechar.(BÌS)

Leitura: Números 18, 28-29
“Desse modo, fareis também vós uma reserva devida ao Senhor de todos os dízimos que receberdes dos israelitas, e esta oferta reservada para o Senhor, vós a entregareis ao sacerdote Aarão. De todos os dons que receberdes, separareis uma parte para o Senhor: tomareis a porção consagrada do que houver de melhor em vossos dízimos.”
Palavra do Senhor: Graças a Deus.

Reflexão:
Coord.: Aqui está uma das melhores regras do dízimo. A MELHOR PARTE DEVE SER RESERVADA PARA DEUS. Essa é a regra de ouro. Observe como você faz quando vai devolder seu dízimo: (motivar uma conversa com os agentes sobre o comportamento de cada um na devolução do dízimo. Atenção: Não falar dos outros mas de si mesmo). O dízimo foi entregue ao sacerdote Aarão. Será que todos devolvem seu dízimo na Igreja? Alguns decidem aplicar o próprio dízimo com ações de caridade, colaboração a grupos e campanhas solidárias. Isto é correto?
. Como é sua atitude com aquilo que é dizimo?
. Você exige algo em troca do seu dízimo? Missa? Bênção especial? Tratamento diferenciado?
. Onde e a quem se deve devolver o dízimo?
. E nós que servimos nesta pastoral? Como agimos no nosso serviço? Os plantões, prestação de contas, encontros, como assumimos?

Preces espontâneas:
Coord.: Há pessoas que têm medo de dar o melhor para a Igreja, porque têm medo de que irá, mais tarde, lhe fazer falta. Que não seja assim entre nós. Inspirados na Palavra de Deus e em nossa reflexão, façamos nossas preces a Deus: Invocação depois de cada prece: Senhor, que sejamos dizimistas fiéis.
1. Senhor, ensina-nos a separar o nosso dízimo com alegria e generosidade.
2. Senhor, ajuda-nos a reconhecer que a Igreja é nossa comunidade e onde deveremos devolver o nosso dízimo.
3. Senhor, fortalece a nossa pastoral no serviço autêntico e comprometido.
Preces espontâneas:

Coord.: Concluamos nossas preces, de mãos dadas, com a oração do Pai Nosso:

Coord.: O Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna.
T.: Amém.

Coord.: Terminada a oração, vejamos, o vídeo sobre a fundamentação bíblica do dízimo:

1º TEMA: POR QUE O DÍZIMO? Fundamentação bíblica I

Carissimos irmãos e irmãs agentes da Pastoral do Dízimo. A Paz e o amor de Jesus, com a proteção constante de Nossa Senhora da Apresentação, nossa Padroeira. A Equipe Arquidiocesana da Pastoral do Dízimo, chega até vocês com uma novidade na formação para este ano: Estaremos nos encontrando, todos os meses, para uma partilha sobre o dízimo. Esperamos que você goste deste encontro e seja fiel no seu dízimo. O nosso primeiro tema será: Por que o dízimo?

POR QUE O DÍZIMO?
Já ouvimos tanto falar em dízimo! Sabemos que é dever do cristão, gesto de gratidão para com Deus e reconhecimento do seu poder, compromisso com a comunidade. Sabemos que é o dízimo que mantém a Igreja em todas as suas atividades e dimensões:
Dimensão religiosa – mantém o culto, o louvor a Deus, assumindo desde a vassoura que varre o templo até a pequena hóstia que se transforma em Corpo de Cristo; a manutenção dos padres, a boa iluminação e conservação da igreja, o som, enfim, nada pode ser esquecido.
Dimensão missionária - deve ser suporte para a realização de todo o projeto missionários da comunidade: formação dos agentes de todas as pastorais, manutenção de Diocese com o dízimo do dízimo, ajuda ao seminário para formação dos futuros padres e muitas outras iniciativas que colaborem com a construção do Reino de Deus.
Dimensão social – os pobres, preferidos de Deus, têm direito a receber apoio do dízimo da comunidade. Apoio às pastorais sociais, creches, asilos, de acordo com a realidade da paróquia.

De onde surgiu o dízimo? Vejamos suas origens:

Gênesis 14, 18-20 (Ler na Bíblia)
“Melquisedeque, rei de Salém e sacerdote do Deus Altíssimo, mandou trazer pão e vinho, e abençoou Abrão, dizendo: “Bendito seja Abrão pelo Deus Altíssimo, que criou o céu e terra! Bendito seja o Deus Altíssimo, que entregou os teus inimigos em tuas mãos!” E Abrão deu-lhe o dízimo de tudo.”

...“Lhe deu a décima parte de tudo...”
O gesto de Abraão, nosso pai na fé, indica sua honestidade e reconhecimento da graça de Deus em suas vitórias. NÃO QUERER NADA PARA SI DAQUILO QUE É DE DEUS!
Este primeiro momento bíblico que fala sobre o dízimo já apresenta o que ele é, de fato: Não é qualquer coisa que oferecemos a Deus, pois é algo que já pertence a Deus. O que é de Deus é dele e não meu. Não posso usufruir daquilo que não me pertence. Aqui encontramos o fundamento do nosso dízimo.

Gênesis 28, 20-22 (Ler na Bíblia)
“Jacó fez então este voto: “Se Deus for comigo, se ele me guardar durante esta viagem que empreendi, e me der pão para comer e roupa para vestir, e me fizer voltar em paz à casa paterna, então o Senhor será o meu Deus. Esta pedra da qual fiz uma estela será uma casa de Deus, e pagarei o dízimo de tudo o que me derdes.”

...“Eu darei a décima parte de tudo que me deres...”
Como Jacó, devemos reconhecer que Deus está sempre presente em nossa história e d’Ele recebemos tudo gratuitamente. O verdadeiro dízimo brota deste reconhecimento e torna-se gesto de adoração ao Deus da vida que caminha ao nosso lado em todos os momentos de nossa vida. DÍZIMO É FUNDAMENTALMENTE UMA FORMA DE ADORAÇÃO E RECONHECIMENTO DO VERDADEIRO DEUS!

Levítico 27, 30-32 (Ler na Bíblia)
“Todos os dízimos da terra, tomados das sementes do solo ou dos frutos das árvores são propriedade do Senhor: é uma coisa consagrada ao Senhor. Se alguém quiser resgatar alguma coisa de seus dízimos, ajuntará uma quinta parte. Todos os dízimos do gado maior e menor, os dízimos do que passa sob o cajado do pastor, o décimo (animal) será consagrado ao Senhor.

...“O dízimo é coisa consagrada a Deus...”
O dízimo se torna um preceito da Lei dada por Deus a Moisés no Monte Sinai. É incorporado à Lei. Assim, quem assume este preceito está assumindo o projeto de Deus; está colocando Deus em primeiro lugar em sua vida. Somente compreende este caminho quem chega à maturidade espiritual de uma vivência profunda da Palavra de Deus.

Com estas três citações bíblicas do Antigo Testamento, vemos que o dízimo é reconhecimento do homem pela bondade de Deus, como fez Abrãao: TUDO PERTENCE A DEUS. Promessa de gratidão pelas graças recebidas, como fez Jacó: RECONHECIMENTO DE QUE DEUS ME DÁ TUDO. Mas, tomamos consciência que o dízimo é, também, um pacto, uma aliança de Deus com o seu povo, como no Monte Sinai, Deus transmite a Moisés: É VONTADE DE DEUS. O dízimo é bíblico. Suas origens estão na Sagrada Escritura. No próximo encontro veremos outras aspectos do dízimo no Antigo Testamento e também na Nova Aliança, com Cristo. Boa reflexão e bom mês para todos vocês. Que a Graça e a Paz de Deus estejam presentes em sua caminhada e sua ação pastoral, por intercessão da Virgem Mãe da Apresentação, em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Amém.

Coord.: Terminada a exposição vamos conversar sobre o que ouvimos:
1. Sobre a primeira citação, Gênesis 14, 18-20 (reler na Bíblia): O que significa para nós este fundamento do dízimo: NÃO POSSO USUFRUIR DO QUE PERTENCE A DEUS? Agimos desta forma? Os católicos vivenciam este fundamento? Por que?
2. Gênesis 28, 20-22 (reler na Bíblia): Somos reconhecido por tudo que Deus nos dá? O que precisamos mudar em nossa ação cristã?
3. Levítico 27, 30-32 (reler na Bíblia): Aceitamos esta lei de Deus?

Orientações:
. Após as reflexões convida a todos para que rezem mais uma vez a oração do dizimista que foi rezada na oração inicial. Que todos meditem na oração que vão rezar:
. Agradecer a presença de todos e marcar a próxima formação. Data, local, hora.

Coord.: Concluamos o encontro com o abraço da paz. (Todos se cumprimentam)

FRASE PARA MEDITAR DURANTE ESTE MÊS:
“O dízimo é uma obrigação dos membros da comunidade.”